%Leis de Criminalização da Transmissão do VIH Proliferam “como um vírus” em todo o mundo

이 문서에서는이 시스템의 수를 배포 한 73 21 / 04 / 2014, 이후 시간을 읽을 수있다. 게시 한 날짜를 관찰 해보십시오. 이전의 과소이 계산 시스템의 구현의 최신 경우. 이후 U 지금까지 물질의 실제 간행물의 시간 창을 고려해야한다면

이 문서에서는이 시스템의 수를 배포 한 73 21 / 04 / 2014, 이후 시간을 읽을 수있다. 게시 한 날짜를 관찰 해보십시오. 이전의 과소이 계산 시스템의 구현의 최신 경우. 이후 U 지금까지 물질의 실제 간행물의 시간 창을 고려해야한다면

저자에 관하여

클라우디오 수자

내 진단 HIV 양성을받은 경우, 열일곱가 나 십구년 전, 나는 또한 예후를 받았다. 생활 6 개월. 하나님은 그들이 겪은 그들이 무엇을 생각하고 무엇을 알고, 하나님은 내가 방금 자살에 대한 생각 얼마나 많은 시간을 알고있다 "용납하지." 하지만 내가 진단에 저를 주도 행위의 존엄성 결과 적어도 져야한다 생각했다. 나는 6 개월 든, 내 개인의 비극을 환영 묻혀 많은 사람들이 후 죽지 않았다. 예, 사실, 인생에서, 나는 원수의 아름다운 포트폴리오를 통합. 안 죽었 어떻게 질병을 직면하기로 결정하고를 위해, 나는 질병에 대한 정보 (HIV 감염), 증후군 (AIDS)과 그 결과, 기회 질병을 추구하기 시작했다. 나는 나를 살려이 사이트를 구동하기 위해이 지식을 사용하고, 시간에,이 세상에서 나의 존재를 정당화 할만큼 충분히 좋은 유일한 것 같습니다. 이 사이트는 오늘 내 아내와 친구이며 내 개인적인 금융 자원과 공기에 옛 친구의 발명품이었다, 나는 실업자 INSS의 혜택없이 3 년 전입니다. 자원은 빈약 불안, 빈약하고 변덕스러운,하지만 하나님은 그것을 공중에서 유지할 수있을만큼, 그래서 기적의 무리와 함께 제공하고 있습니다. 그것은 내가 이미 그들이 열일곱 또는 십구아르 자주 언젠가, 나는 HIV하지 않고 살았다는 것을 믿으 비용 알고하지 않는 HIV와 함께 살고있는 너무 오래 됐어요 ... 내가 살았다는 것을 알고 있지만하지만 난 살았다. 그리고 하늘은 내가 시간이 심연에 살아남은 내가 지금껏 무엇을 증거해야합니다. 두 수막염, 심장 마비, 두 폐 색전증, 내가 직면하고 생존 알고 약간의 혈전 절반 적어도 12 폐렴. 다른 아무거나가있는 경우에, 나는 기억하지 않고 저주를주지 않는다. 그 날입니다. 그리고 이건 내 방법입니다.

안녕하세요, 읽어 주셔서 감사합니다! 의견을 남겨주세요. 귀하의 평가는 더 나은 웹 사이트를 만드는쪽으로 저를 안내합니다.

http://googleping.com
http://critic.net
 
%Leis de Criminalização da Transmissão do VIH Proliferam “como um vírus” em todo o mundo

에드윈 J. 버나드%, Tuesday, August 12, 2008

%A preocupação com a crescente tendência internacional para a criminalização da transmissão e exposição ao VIH foi documentada durante uma sessão realizada na quarta-feira de manhã na XVII Conferência Internacional de SIDA, onde se salientou não só a “criminalização dissimulada” que grassa na Europa e Ásia Central, mas também a rápida proliferação de “leis ineficazes” na África Ocidental e Central.

%A ONUSIDA mostrou-se, de facto, alarmada com estes desenvolvimentos, publicando esta semana um novo documento sugerindo com veemência que os governos revoguem as leis que actualmente criminalizam a transmissão ou exposição ao VIH, exceptuando-se a transmissão intencional.

%Tendo sido o assunto de cinco sessões principais, durante quatro dias, e de pelo menos 20 포스터 %e apresentações orais, a criminalização da transmissão e exposição ao VIH foi um dos tópicos mais recorrentes da agenda da XVII Conferência Internacional de SIDA. Na sexta feira, o Juiz do Supremo Tribunal de Justiça Sul Africano, Edwin Cameron, vai proferir um discurso no plenário, incitando à rejeição objectiva do uso da lei, como forma de regulação do comportamento sexual das pessoas infectadas pelo VIH ou em risco de o contrair.

%Hoje, contudo, foi demonstrado durante a conferência que as leis que incentivam a prossecução da transmissão ou exposição ao VIH – seja por via sexual, partilha de seringas ou mãe-filho (vertical) – estão a ser consideradas por vários países a nível mundial, não obstante a inexistência de evidências que estas leis mudem comportamentos e que pelo contrário, existe uma evidência cada vez maior que inadvertidamente aumentem a epidemia do VIH.

%Modelo Legal Africano – Confuso e Problemático

%Numa sessão intitulada “Transmitir ou não transmitir: será esta realmente a questão? – Criminalização da Transmissão do VIH”, a audiência tomou conhecimento que, desde 2005, a África Ocidental e Central testemunhou uma explosão de leis nacionais especificas para a exposição e transmissão do VIH, que a ameaçam de ser uma das regiões do mundo com mais legislação para o VIH.

%Até agora, Benim, Guiné, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Togo e a Serra Leoa aprovaram sucessivamente leis e mais países africanos estão a propor leis semelhantes, incluindo Angola, Republica Democrática do Congo, Malawi, Madagáscar, Tanzânia e Uganda.

%A maioria destas leis baseia-se no Modelo Legal Africano, criado em Setembro de 2004, durante um workshop da %Action for West Africa Region – HIV/AIDS (AWARE – HIV/AIDS) %em N’djamena, no Chade.

%Richard Pearshouse da 캐나다 HIV / AIDS 법률 네트워크 %salientou que a %AWARE – HIV/AIDS %recebeu fundos da USAID e foi implementada pela %Family Health International %com fundos adicionais de organizações sedeadas nos EUA, incluindo a %Population Service International%Constella Futures Group%. Sugeriu ainda aos delegados da conferência que de forma educada, dessem a conhecer a estas organizações como se sentem dirigindo-se aos seus stands, no átrio da conferência.

%O modelo legal aparece dissimulado sob a legislação dos direitos humanos, com o fim de “proteger as pessoas que são infectadas e expostas ao VIH”. Pearshouse realçou ainda, que este modelo legal tem alguns preceitos positivos, incluindo a garantia de um aconselhamento pré e pós teste, o direito aos serviços de saúde e sigilo médico, bem como a protecção da discriminação na prestação cuidados de saúde, bens ou serviços.

%No entanto, Pearshouse acrescentou, que o modelo legal tem uma série de pontos problemáticos, tais como o requisito que alguém recentemente diagnosticado com VIH tenha de revelar o seu estatuto ao “cônjuge ou ao parceiro sexual regular” logo que possível, sendo o período máximo de seis semanas depois do diagnóstico. Outro ponto problemático é a obrigatoriedade do teste durante o período pré-natal, depois de uma violação, para “resolver um conflito matrimonial” e, ainda mais preocupante, a ofensa, extremamente vaga, de “transmissão propositada”, definida como transmissão do VIH “através de qualquer meio de uma pessoa com conhecimento prévio do seu estatuto serológico para o VIH/SIDA a outra pessoa”, incluindo via sexual, partilha de seringas e transmissão mãe-filho.

%O palestrante argumentou que a frase “através de qualquer meio” é imprecisa e pode acabar por incriminar todos os indivíduos seropositivos, mesmo os que praticam sexo seguro, independentemente de revelarem o seu estatuto serológico e do risco actual de transmissão.

%Criminalizar a transmissão mãe-filho é especialmente problemática, afirmou Pearshouse. O documento da ONUSIDA sobre a transmissão do VIH lançado esta semana, afirma que se trata de um procedimento inapropriado porque:

  • %todos têm o direito a ter um filho, incluindo as mulheres que vivem com VIH;
  • %quando a mulher grávida é aconselhada sobre os benefícios da terapêutica anti-retroviral, concorda frequentemente com a realização de um teste e a receber tratamento;
  • %nos casos raros em que as mulheres grávidas se mostram relutantes em fazer o teste ou a terapêutica para o VIH, isso deve-se frequentemente ao receio que o seu estatuto de seropositividade seja conhecido e que tenham de enfrentar violência, discriminação ou abandono;
  • %forçar as mulheres a fazer terapêutica anti-retroviral com o objectivo de evitar uma acusação criminal de transmissão mãe-filho viola ética e legalmente o requisito de que todos os procedimentos médicos sejam realizados com consentimento informado;
  • %e frequentemente, as mães seropositivas não tem alternativas mais seguras à amamentação, pois não possuem substitutos do leite materno ou água potável para preparar os leites artificiais.

%Será que as mulheres necessitam realmente destas leis?

%Estas novas leis vieram disfarçadas de leis protectoras das mulheres – que têm poucos direitos legais ou humanos em várias nações africanas – afirmou Michaela Clayton da %AIDS & Rights Alliance for Southern Africa (ARASA)%, mas “é isto que as mulheres desejam?”, perguntou.

점토
%ton afirmou ainda que 61% das pessoas infectadas na África subsahariana são mulheres e que estas são frequentemente as primeiras a saber o seu estatuto serológico para o VIH, devido à despistagem pré-natal.

%As mulheres, acrescentou, são muitas vezes culpadas de “trazer o VIH para casa” e consequentemente têm receio de revelar o seu estatuto de seropositividade aos companheiros, devido ao medo de violência física ou expulsão.

%Para além disso, devido a desequilíbrios de poder dentro das relações, as mulheres não podem praticar sexo seguro, pois o preservativo é um método de prevenção controlado pelo homem.

%Com estas leis, segundo Clayton, é muito provável que tantomulheres como homens sejam presos e julgados e que as mulheres se sintam desencorajadas a recorrer a serviços de despistagem do VIH, que têm como objectivo prevenir a transmissão mãe-filho.

%“A criminalização é uma má política pública”, concluiu o palestrante. “As jurisdições não deviam adoptar políticas de criminalização e as que já o fizeram deviam inverter o caminho.

%"O processo de criminalização” na Europa e Ásia Central

%A mesma conclusão foi focada de forma ainda mais evidente pelo activista seropositivo Julian Hows, que apresentou os resultados de um levantamento feito pelo %Global Network of People Living with HIV/AIDS (GNP+) 과의 %Terrence Higgins Trust (THT)%, sobre as leis de criminalização da transmissão e exposição ao VIH em 53 países na Europa e Ásia central.

%Um levantamento rápido feito em 2004, %Na Suíça, a declaração da Comissão Federal de SIDA, %em relação à pouca infecciosidade dos indivíduos em tratamento, pode significar uma reviravolta depois de se terem dado 10 julgamentos e 8 condenações nos últimos 4 anos. Contudo, no último mês a mais alta instância jurídica Suíça declarou que %todas as pessoas com VIH podem ser acusadas de transmissão%, mesmo que não tenham sido testadas.

%Na Holanda, não houve julgamentos ou condenações desde 2005 devido a duas decisões do Supremo Tribunal Holandês em 2005 e 2007, depois de uma intensa discussão entre legisladores, juristas e organizações da sociedade civil.

%Contudo, houve um julgamento por transmissão de VIH intencional através de uma seringa com sangue infectado.

%No Reino Unido, as novas linhas orientadoras da Crown Prosecution Service clarificaram algumas incertezas que pairavam sobre os julgamentos de transmissão do VIH, e dado o grande nível de evidências necessário, parece que a criminalização será cada vez mais rara – de facto as últimas três tentativas para julgar por transmissão de VIH em Inglaterra e no País de Gales falharam.

%E, apesar de não ter havido alterações na lei, a Rede Ucraniana de Pessoas que Vivem com VIH/SIDA tem sido bem sucedida em demonstrar a pouca fiabilidade dos testes filogenéticos, evitando assim vários julgamentos.

%Hows conclui que “existe um processo lento de aumento da criminalização em vários países que está a ser estudado”, e “que se têm vindo a introduzir novas leis ou leis cada vez mais punitivas sem se ter em consideração as evidências.

%Acrescentou ainda que “os esforços dos activistas – para descriminalizar onde é possível, mitigar onde não o é, e assegurar que este tipo de leis não são introduzidas onde ainda não existem – notam-se sobretudo pela ausência.”

%A ONUSIA argumenta que somente a transmissão intencional deve ser criminalizada.

%Numa tentativa de conter a tendência crescente de criminalização da transmissão ou exposição ao VIH, a ONUSIDA publicou esta semana um documento que censura fortemente todas as acusações de transmissão ou exposição ao VIH, com a excepção dos “casos de transmissão intencional, isto é, quando uma pessoa sabe o seu estatuto serológico para o VIH e actua com a intenção de transmitir o VIH, e acaba por transmitir de facto”.

%O documento declara que “não existem dados que demonstrem que a aplicação generalizada da lei criminal à transmissão do VIH sirva para se fazer justiça ou para prevenir a transmissão. Pelo contrário, este tipo de aplicação da lei arrisca minar a saúde pública e os direitos humanos.”

%Argumenta-se, ainda, que se devem explorar alternativas às sanções criminais: “Em vez de aplicar a lei à transmissão do VIH, os governos deviam expandir programas que tenham provado reduzir a transmissão do VIH, protegendo, ao mesmo tempo, os direitos humanos das pessoas que vivem com VIH e daquelas que são seronegativas para o VIH”. Além disso a ONUSIDA sugere que os governos “reforcem as leis contra a violação (dentro e fora do casamento), e outras formas de violência contra mulheres e crianças, melhorando também a eficácia dos sistemas de justiça nas investigações de ofensas sexuais a mulheres e a crianças, bem como o aumento do apoio à equidade e independência financeira das mulheres, através de legislação concreta, programas e serviços. Estes são os meios mais eficazes para proteger mulheres e crianças da infecção pelo VIH aos quais se deve dar prioridade.”

%O documento conclui com diversas recomendações i
%mportantes, incluindo as seguintes:

%Os governos devem reger-se pelas convenções internacionais de direitos humanos iguais e inalienáveis, incluindo as que se referem à saúde, educação e protecção social de todas as pessoas, inclusive das que vivem com VIH.

%Os governos devem revogar leis criminais específicas para o VIH, leis que obriguem à revelação do estatuto serológico, e outras leis que sejam contraproducentes para a prevenção do VIH, tratamento, cuidado e esforços de apoio, ou que violem os direitos humanos das pessoas que vivem, com VIH ou outros grupos vulneráveis.

%As leis gerais devem aplicar-se exclusivamente à transmissão intencional e os governos devem auditar a sua aplicação, para assegurar que não são usadas de forma inapropriada no contexto da infecção pelo VIH.

%Os governos devem reencaminhar as reformas legislativas e o fortalecimento da lei de forma a abordar, por um lado, a violência sexual e outras forma de violência contra mulheres e, por outro lado, a discriminação e violação de outros direitos humanos das pessoas que vivem com VIH ou que estão em risco de exposição a este.

%Deve ser alargado o acesso a programas de prevenção do VIH eficazes (incluindo a prevenção positiva) e o aconselhamento e despistagem voluntários para casais deve ser promovido, bem como a revelação voluntária do estatuto serológico e notificação ética dos parceiros.

참조

%UNAIDS Policy Brief Criminalization of HIV Transmission August 2008.

Pearshouse R 등. %Legislation contagion: the spread of problematic new HIV laws in Africa. %17th International AIDS Conference, Mexico City, abstract WEAE0101, 2008.

%Clayton M et al. %Criminalising HIV transmission: is this what women really need? %17th International AIDS Conference, Mexico City, abstract WEAE0102, 2008.

%Hows J et al. %Sex, lies, and prosecutions: criminalisation of HIV in Europe and Central Asia. %17th International AIDS Conference, Mexico City, abstract WEAE0103, 2008.